Visão panorâmica de horta com trabalhadores ao fundo

COMPARTILHE

BENEFÍCIOS
ESG
FOLHA LARGA SUL
MEIO AMBIENTE
RIO DO VENTO

O cuidado de quem conhece cada semente

Além de atender às normas de licenciamento ambiental, nós desenvolvemos nossas próprias áreas de preservação e contamos com o apoio da comunidade na conservação dos biomas. Um caso emblemático é o da caatinga, o único considerado exclusivamente brasileiro – isso significa que grande parte do seu patrimônio biológico não pode ser encontrada em nenhum outro lugar do planeta. A caatinga é também o bioma em que se encontram inseridos nossos complexos eólicos Rio do Vento (RN) e Folha Larga Sul (BA).

Como parte de nosso compromisso de conservação, mitigação e recomposição, o viveiro de mudas de Rio do Vento começou a ser construído no ano passado e, aos poucos, o projeto transformou a vida da população local, nos municípios de Caiçara do Rio do Vento, Riachuelo, Ruy Barbosa, Bento Fernandes e Ceará Mirim. Donas de casa que buscavam uma fonte de renda extra encontraram ali uma oportunidade – e a Casa dos Ventos passou a contar com o apoio dessas mulheres que conhecem de perto a flora da região. As mudas produzidas no viveiro são de espécies típicas da caatinga, como aroeira, aroeira branca, ipê roxos ipê amarelo e barriguda.

Hoje, existem 15 mil plantas prontas para serem devolvidas ao meio ambiente, no entorno de Rio do Vento. Os aerogeradores e a vegetação nativa estão crescendo juntas para garantir energia renovável, respeito ao meio ambiente e impacto positivo na vida das comunidades.

Rio do Vento, que começará a operar no segundo semestre de 2021, contribuirá para evitar a emissão de 2 milhões de toneladas de CO₂ por ano. A capacidade de produção local é de 1.038 MW.

O tesouro do sertão

No complexo eólico Folha Larga Sul, instalado em Campo Formoso, na Bahia, nosso viveiro de mudas está contribuindo para a preservação de uma espécie nativa da flora nacional que é conhecida como “o tesouro do sertão”: o licuri.

noticias-20210427_01.jpg

Patrimônio biocultural do Brasil, ele é alimento e fonte de renda para milhares de brasileiros. O óleo e a farinha de licuri podem ser utilizados para a produção de alimentos e também de sabonetes e cosméticos. A palha é transformada em bolsas, chapéus e acessórios pelos mãos hábeis dos artesãos da região.

O projeto tem capacidade de produção total de 36.600 mudas por ano e emprega mão de obra local no cultivo dessa planta-símbolo da cultura sertaneja. Cerca de 70% das mudas produzidas em Folha Larga Sul são de licuri – mas também há cultivo de braúna, angico, aroeira e umbuzeiro.

Além de cultivar as mudas para recomposição e adensamento da flora, a Casa dos Ventos também desenvolve projetos em parceria com associações de produtores locais para a realização de feiras e exposições dedicadas ao licuri e seus subprodutos.

Folha Larga Sul iniciou suas operações em abril de 2019, e tem capacidade de 151,2 MW, com 36 aerogeradores. Estima-se que o parque eólico evita a emissão de 300 mil toneladas de CO₂ por ano.

Transformar a força dos ventos em energia é resultado da união de muitos esforços. Entenda como fazemos isso:

Durante a fase de implantação de um parque eólico, analisamos cuidadosamente as alterações socioambientais e possíveis ocorrências, estabelecendo as principais ações para prevenir, compensar ou mitigar seus efeitos. Veja nossas ações de base para o cuidado com o meio ambiente.

Veja também

ESG
Green Bonds
Rio do Vento

06 DE MAIO DE 2022

Casa dos Ventos emite R$ 430 mi em green bonds

As debêntures verdes somam R$ 430 milhões e vão financiar parte da expansão do Complexo Eólico Rio do Vento, no Rio Grande do Norte.

ESG

29 DE MARÇO DE 2022

Casa dos Ventos destinou cerca de R$ 7 milhões a ações socioambientais em 2021

Recursos foram concentrados na Região Nordeste do Brasil, com iniciativas alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (Organização das Nações Unidas)

Rio do Vento
Tivit
ESG

21 DE JANEIRO DE 2022

Parceria entre Casa dos Ventos e Tivit

Nós, da Casa dos Ventos, unimos forças com a multinacional brasileira TIVIT para protagonizar a transição energética do setor de tecnologia no país.