Casa dos Ventos fecha venda de energia à Tivit e avança em projeto eólico de R$2,4 bi

Empresa busca apoiar consumidores em direção a uma transição energética limpa e eficiente

São Paulo, 20 de maio de 2020 – A Casa dos Ventos, uma das pioneiras e maiores investidoras no desenvolvimento de projetos eólicos no Brasil, assinou contrato de compra e venda de energia renovável de longo prazo com a TIVIT, multinacional brasileira de soluções digitais, para fornecer energia eólica aos seus 30 escritórios e quatro data centers espalhados pelo país. O acordo prevê o fornecimento de toda demanda de eletricidade da empresa a partir de 2022 através do complexo Rio do Vento, localizado no Rio Grande do Norte.

Com potência instalada de 504 MW e investimento de R$ 2,4 bilhões, o complexo eólico Rio do Vento é formado por oito Sociedades de Propósito Específico (SPE), o que possibilita a negociação de contratos no mercado livre com empresas de porte e setores diferentes. Além do fornecimento de energia, os consumidores ainda possuem uma opção de se tornarem acionistas da SPE, se tornando autoprodutores e reduzindo ainda mais seu custo total de eletricidade. “Funciona como um grande condomínio, onde diversas companhias se beneficiam das economias de escala do projeto como um todo”, explicou Lucas Araripe, diretor de Novos Negócios da Casa dos Ventos. Dessa forma, destaca o executivo, a Casa dos Ventos pretende facilitar o acesso a fonte eólica e o modelo de autoprodução para empresas não eletrointensivas.

“Trouxemos ineditismo ao Ambiente de Contratação Livre (ACL) quando customizamos os parques de Rio do Vento às diferentes necessidades de nossos clientes. Inovamos ao oferecer um privilégio que era restrito aos grandes consumidores que podiam investir em usinas próprias e se tornarem autoprodutores. No nosso caso, o cliente tem a opção de se tornar autoprodutor, com os riscos de construção e operação mitigados e se beneficiando da escala que trouxemos ao complexo”, afirma Araripe.

“Rio do Vento é um projeto singular. Os ventos que sopram na região são intensos e constantes, característica climática que nos permite trabalhar com contratos e tarifas muito mais competitivos junto aos nossos clientes.” A previsibilidade de tarifas em contratos de longo prazo também é um atrativo para as companhias, que se protegem das volatidades de preço”, completa.

Além da TIVIT, a desenvolvedora brasileira de projetos eólicos assinou recente parceria com a Vulcabras Azaleia, no valor de R$ 150 milhões, que prevê o fornecimento de 7 MW para as operações da empresa calçadista. Segundo a companhia, o acordo deve proporcionar uma economia nos custos com eletricidade da ordem de 25% ao longo do prazo do contrato ao comparar aos custos de 2019.

Capacidade dobrada
Rio do Vento possui 120 turbinas V150-4.2 MW da dinamarquesa Vestas, líder mundial na fabricação de aerogeradores, e está localizado nos municípios de Caiçara do Rio do Vento, Riachuelo, Ruy Barbosa e Bento Fernandes. A operação comercial do complexo está prevista para o segundo semestre de 2021.

O empreendimento da Casa dos Ventos também se prepara para expansão. O complexo eólico potiguar se tornará um dos maiores do mundo ao ter sua capacidade dobrada. Além da duplicação, a companhia estuda sua hibridização, unindo duas fontes limpas e renováveis, vento e sol. “Na segunda fase de Rio do Vento, vamos aproveitar toda a estrutura da primeira e ter 1 GW em um único cluster mais competitivo e com operação otimizada.”, concluiu Araripe.

Além de Rio do Vento e sua expansão, a companhia desenvolve mais um projeto de 350 MW na Bahia, também mirando contratos corporativos de longo prazo.

Mercado livre de energia renovável
A viabilização de projetos renováveis por meio de contratos corporativos é uma tendência que se comprova no Brasil. É grande o número de empresas que, gradativamente, adquirem energia renovável buscando o desenvolvimento sustentável e a descarbonização de suas atividades. Segundo relatório da consultoria Bloomberg New Energy Finance (BNEF), em 2019, o fornecimento corporativo ativo de energia limpa deu um salto de 384% no país, atingindo 640 MW. Aproximadamente um quinto deste volume foi o contrato assinado entre Casa dos Ventos e a mineradora Vale no ano passado. “Além da tendência crescente das empresas com metas de sustentabilidade e implantação de ações rumo à transição energética para amenizar as consequências das mudanças climáticas, o custo da fonte eólica atingiu um patamar que essa alternativa já se torna a melhor também do ponto de vista econômico”, concluiu Araripe.

Sobre a Casa dos Ventos
A Casa dos Ventos é uma das pioneiras e maiores investidoras no desenvolvimento de projetos eólicos no Brasil. Há mais de dez anos no mercado, é responsável pelo desenvolvimento do maior número de projetos que comercializaram energia em leilões regulados e no ambiente de contratação livre no país. Além de ter desenvolvido aproximadamente 30% de todos os empreendimentos em implantação ou operação no país, a empresa é detentora do maior portfólio de projetos eólicos do Brasil. Os projetos eólicos da companhia estão localizados no Ceará, Rio Grande do Norte, Pernambuco, Paraíba, Bahia e Piauí.

Nossas redes sociais

www.linkedin.com/company/casa-dos-ventos-energias-renov-veis
www.facebook.com/casadosventosenergiasrenovaveis
www.twitter.com/acasadosventos
www.instagram.com/casadosventos/