Venda de parques de Santa Brígida e do Araripe para empresa do grupo Santander não vai alterar os investimentos previstos no estado

A aquisição de dois parques eólicos nordestinos Ventos de Santa Brígida e Ventos do Araripe pela operadora global inglesa Cubico Sustainable Investiments, do grupo Santander, não vai alterar o cronograma de investimentos da Casa dos Ventos em Pernambuco. Está previsto para julho deste ano a entrada em operação do complexo eólico Ventos de São Clemente, localizado no Agreste do estado, com a capacidade de geração de 216,1 MW. Outro parque eólico em construção em solo pernambucano é o Ventos do Araripe III, com a capacidade de geração de 210 MW e a conclusão prevista para abril de 2017. Os dois parques eólicos totalizam investimentos de R$ 2,9 bilhões. 

De acordo com o diretor de Novos Negócios da Casa dos Ventos, Lucas Araripe, a venda dos dois parques eólicos deixa a empresa com capacidade financeira para investir em novos projetos e prosseguir com os que estão em construção. A operação fechada com a Cubico no final de dezembro, no valor de R$ 2 bilhões, é considerada uma das maiores envolvendo usinas eólicas em operação no país. “A venda representa apenas um terço da nossa capacidade instalada total de 1.100 MW. Os dois parques vendidos têm a capacidade de 392 MW”, comenta o executivo.

Um dos parques eólicos comercializado à Cubico – Ventos de Santa Brígida – fica localizado entre os municípios de Caetés, Pedra e Paranatama. O complexo foi inaugurado no final de setembro do ano passado e conta com sete parques eólicos, 107 aerogeradores e tem a capacidade de geração de 181,9 MW. O segundo parque negociado é o Ventos do Araripe I, localizado em Simões, no Piauí, com a capacidade de geração de 210 MW. 

Segundo Araripe, a Casa dos Ventos possui três grandes complexos de energia eólica em construção no Nordeste: São Clemente, localizado ao lado do Santa Brígida, no Agreste pernambucano, com capacidade de geração de 216 MW, Tianguá de 130 MW no Ceará, e Ventos do Araripe III, de 359 MW na divisa de Pernambuco e Piauí. Os três projetos totalizam mais de 700 MW de produção de energia eólica. O São Clemente está em fase de montagem das turbinas eólicas. 

 A Casa dos Ventos possui hoje 1.100 MW contratados em leilão de energia vendida e 15 mil MW prontos para disputar novos certames no mercado. “Vendemos ativos mais maduros para levantar recursos para desenvolver os nossos próximos projetos”, diz. O diretor de novos negócios da empresa explica que a comercialização de ativos dá maior capacidade de investimentos para acelerar a prospecção em novas áreas. A empresa estuda a possibilidade de investir em parques híbridos com energia solar.

A Cubico Sustainable Investiments foi criada em maio de 2015, a partir da fusão dos ativos de energia renovável do Santander com dois fundos de pensão canadenses (Ontario Pension Plan e o Public Sector Pension Investiment Board). Com a aquisição, a Cubico passa a gerir 615 MW de projetos de energia renovável no país. Entre eles, os parques eólicos de 223 MW em operação no Rio Grande do Sul, Ceará e Rio Grande do Norte. A aquisição à Casa dos Ventos foi financiada pelo BNDES e pela emissão de debêntures (títulos) de infraestrutura.

Fonte: Diário de Pernambuco